Educação para quem: crianças ou adultos?

Atualmente a humanidade investe muito tempo, dinheiro e energia em um sistema que enfatiza a educação de crianças. “Infelizmente” o que podemos observar é que as escolas tem se tornado um “depósito” aonde os pais são “obrigados” a deixarem seus filhos enquanto trabalham cada vez mais horas por dia. Desde os primeiros anos de vida, muitas vezes desde os primeiros meses de vida, as crianças são deixadas aos cuidados de outras pessoas, que por mais que sejam profissionais na área, nem sempre são exemplos dos valores morais e éticos de um educador de verdade.
Com um sistema baseados em métodos e estudos generalizados, nosso país tem demonstrado alguns avanços na área intelectual, alfabetizando e “educando” um número crescente de crianças, porém, será que estas crianças estão felizes?
Em um país em que a mídia e o modelo consumista tem tanto poder, como será que está sendo o desenvolvimento emocional e espiritual de nossas crianças?

Será que este modelo mecanicista, que obriga as crianças a estudar assuntos teóricos sem aplicações práticas, que serão totalmente esquecidos em poucos anos, ainda serve?

Será que nós precisamos ensiná-los o que mais devemos aprender? As crianças são seres amorosos, inocentes, cheios de alegria, criatividade, de vontade de viver, de se aventurar… será que realmente temos algo a ensinar a eles? Seriam eles nossos alunos ou professores?

Questões como estas me fazem refletir profundamente, e a sugerir, que quem mais precisa de educação somos nós, os adultos. Nós é que precisamos aprender com as crianças, a mantermos este estado de divindade natural, vivenciando amplamente a conexão entre corpo físico, mente e espírito, honrando nosso SER. Este SER é a fonte de todas as virtudes e inteligências, de todo AMOR e Sabedoria, dos princípios da cosmoética e assistencialidade. Este SER é nossa pura realidade e é através da experiência direta com o SER que podemos nos educar de verdade.

Nós sim, precisamos nos dedicar diariamente em nosso processo de autoconhecimento, buscando através da experiência pessoal viver o propósito da vida, expressando de maneira natural nossos talentos e inteligências. O ideal é que como estudantes, nós também possamos conhecer as coisas de maneira teática, teórica e prática. 1% de teoria e 99% de prática parece um bom percentual, se levarmos em consideração que os verdadeiros aprendizados da vida, se apresentam naturalmente para cada um de nós, a cada momento. O mesmo 1 % de teoria é o espaço “cheio” da matéria, a ilusão, o “trololó”, e o mesmo 99% é o espaço “vazio”, o campo de infinitas possibilidades, o espaço entre os pensamentos aonde habita o SER, Deus.

Quando nos focamos neste SER, neste espaço vazio, tudo o que acontece em nossa vida se torna cheio de AMOR, de consciência e lucidez. Vivenciar Deus diariamente, através de nosso corpo, de nossa alma e de nossa mente, permite a percepção lúcida sobre o que é o SER, Supremo Espírito Real, a divina unidade, da qual nós somos partes indissociáveis. Nossa individualidade é o toque especial da criação, para que cada um de nós tenha a possibilidade de experimentar a criação de uma maneira completa, integral.

 

A maior vantagem na educação dos adultos é que ela não depende de estrutura alguma, nem de livros, nem de faculdades, nem mesmo de mestres, o que não diminui a importância de tais “ferramentas” em nosso processo evolutivo. Os mestres da vida, as amizades, os livros, as faculdades e diversos cursos livres são ferramentas muito poderosas para nossa evolução, mas mesmo assim são dispensáveis para a “auto-realização do SER”, que é fruto da autoexperimentação, um contato íntimo e verdadeiro com sua própria essência. Cedo ou tarde, cada SER humano vai passar pela experiência de unificação com Deus, o “samadhi”, a experiência mística comum à todos os grandes mestres iluminados, que deixaram seus exemplos como livros escritos no coração de cada um de seus discípulos.

Um mestre verdadeiro, é tão libertador para os que o conhecem, que liberta-os até mesmo da necessidade de sua presença, garantindo-lhes sua eterna presença como consciência e energia, mesmo além do tempo, do espaço, além do além. Tal é o laço de AMOR que temos com Deus, este AMOR é o que somos, e quando nós adultos recuperamos esta consciência estamos nos educando. Ao vivenciar este AMOR fisicamente; cuidando do corpo, emocionalmente; honrando a alma, mentalmente; manifestando a maestria dos pensamentos e essencialmente compartilhando esta vibração da constante comunhão com Deus.

Estou dedicado nesta missão de educar adultos, e meu aluno mais importante sou eu mesmo. Convido você a fazer o mesmo, se tornar seu próprio mestre e principal aluno e ir afundo dentro de si mesmo, para perceber quem é você, quem é seu verdadeiro SER.
Durante os nove últimos anos de minha vida, de forma integral, tenho buscado formas de aperfeiçoar minha existência, aprimorando minha energia pessoal e dissolvendo-a cada vez mais na energia cósmica, entregando os talentos que recebi à todos aqueles que possam se sentir felizes e amados com isso. Esta autoeducação está permitindo que minha vibração fale mais que minhas palavras, e que aos poucos minha presença seja mais notada positivamente, influenciando pessoas da família, amigos antigos, novos e futuros, a viverem uma vida mais espiritual e consciente, em plena conexão com o AMOR, Deus.

Que muitos adultos possam viver essa lição de SER AMOR, e mesmo sem ler estas palavras saibam que estão educando a si mesmos constantemente, para que todos nós possamos então, passar no “exame final”, e vermos nitidamente a face de Deus, nos mostrando que SOMOS TODOS UM!

Gratidão, Paz e AMOR,
Mautama

This entry was posted in Autocura e Terapias Holísticas, Conscienciologia, Pensenes Espirituais and tagged , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta