Dissolvendo o ego

Uma das maiores “batalhas” espirituais que enfrentamos é a “dissolução do ego”. Ego é um termo originado da palavra alemã “ich”, que quer dizer eu, e tornou-se um termo amplamente conhecido e utilizado nos estudos da psicologia, e amplamente discutido pelos mestres espirituais contemporâneos.
O ego é o “eu pequeno”, aquele que é condicionado por diversos fatores, como tempo, espaço, dimensão, experiência, existência. Este pequeno eu é aquele que se associa a todos os sentimentos de posse e apego, o tal do egoísmo surge de uma necessidade de separar, e limitar aquilo que é “meu” daquilo que é “seu”, ou de outros.
Todos nós seres humanos possuímos esta identificação com o ego, o que é natural e necessário para que possamos evoluir como consciências humanas, já que é o ego que nos dá a noção de individualidade, característica peculiar ao sistema evolutivo de terceira dimensão.
A verdadeira “busca espiritual” é pelo verdadeiro “Eu”, o “Eu Superior”, o SELF, o qual prefiro chamar de SER (Supremo Espírito Real), nossa verdadeira essência e eterna realidade, o AMOR. Todos nós somos o mesmo SER, que é a realidade essencial por detrás de todos os egos, ou “pequenos eus” que estão temporariamente sendo o foco de nossa energia e atenção durante os ciclos evolutivos como seres humanos. Para “ascensionar” nossas vibrações, devemos nos concentrar na percepção do SER, de onde se irradiam todas as virtudes, e só existe uma energia, o AMOR.
Grandes mestres nos ensinam a arte da meditação e todos seus efeitos sobre nosso corpo, alma e mente. Ao percorrer os estágios da meditação e vivenciar a busca pela iluminação espiritual, o encontro com o SER, é importante aprender com cada etapa e compreender seus ensinamentos, para que o discernimento desta experiência seja o mais aprimorado possível.
A meditação seguramente é a forma mais recomendada por todos os seres iluminados, almas já libertas e dissolvidas na unidade.
A busca real pelo encontro com o SER (SELF) tem o seu destino no oceano infinito do AMOR e consciência que é Deus. O fim da ilusão ou verdadeira morte é conhecido também como moksha, e ocorre quando o ego sublimado finalmente se entrega à totalidade. Este estágio é o verdadeiro nirbikalpa samadhi, a iluminação plena, a fusão incondicionada na unidade que representa o verdadeiro sentido da Yoga que literalmente se traduz União.
Esta unidade de nossa consciência individual com a Onisciência é o estado que atingem os verdadeiros mestres, livres de todos os condicionamentos, o AMOR encarnado em sua pura essência.
Krishna, Buda, Jesus e muitos outros seres são um belo exemplo da experiência de como uma consciência liberta pode contribuir voluntariamente para a expansão deste estágio a todos os demais. Estes seres continuaram a existir como indivíduos, por tanto também com egos, porém sublimados, dissolvidos na percepção consciente de que o “ego” deles é o SER, que o SER é AMOR, e isso é tudo.

Que possamos estar cada vez mais imersos no universo do AMOR, dissolvidos na Unidade.

Mautama Krishnarabi

This entry was posted in Autocura e Terapias Holísticas. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta