Samurai: aquele que serve

Aprender a AMAR inclui despertar a capacidade de aceitar a dualidade deste plano terrestre, desenvolvendo a cada momento nossa conexão com o Supremo Espírito Real (SER) que habita cada partícula da matéria e anti-matéria, seja ela orgânica ou inorgânica, consciente ou inconsciente.

Em nosso processo evolutivo, cedo ou tarde nos depararemos com a consciência da unidade, que transcende as polaridades e que nos torna capazes de observar a realidade, tal como ela é, uma grande unidade de consciência e energia, o AMOR.
Aquele que é a capaz de ver a si mesmo nos demais, desperta para o nível intuitivo em que tem a oportunidade de escolher atitudes altruístas. Esta atitude é a vibração do “samurai”, palavra japonesa que descreve “aquele que serve”, seguindo um código pessoal de honra (código pessoal de cosmoética), com a consciência de que aquilo que observa, seja algo positivo ou negativo, é parte intrínseca do SER divino manifestando nossa realidade.
O samurai sabe que a paz é o caminho, e mesmo assim também entra na batalha quando é necessário, e o faz com plena consciência de que a única vitória que existe é servir a um propósito maior, o bem de todos.Sabe que seu dever é concentrar-se na essência, agindo em meditação e meditando em ação, honrando aquilo que vibra em seu coração.

Com sinceridade e pureza de intenções, devemos ser coerentes com nossa intuição, agindo com sabedoria, utilizando nossas inteligências para servir aos demais com alegria e liberdade. 


Gratidão, Paz e AMOR
Mautama

This entry was posted in Liderança, Política da Era Dourada. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta